A inflação para o consumidor avançou em Porto Alegre e em mais quatro capitais pesquisadas na terceira semana de março

FONTE O SUL//A inflação medida pelo IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor – Semanal) avançou em cinco das sete capitais pesquisadas na terceira semana de março, entre elas Porto Alegre, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (26) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Na Capital gaúcha, o IPC-S registrou variação de 0,09% no período. O resultado foi 0,03 ponto percentual superior ao verificado na segunda semana de março (0,06%). Nesta apuração, cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram aceleração em suas taxas de variação em Porto Alegre, entre as quais se destacam os grupos Vestuário e Educação, Leitura e Recreação, cujas taxas passaram de -0,27% para 0,54% e de -0,34% para 0,03%, respectivamente.

A inflação para o consumidor também apresentou acréscimo na terceira semana de março em Brasília (0,03% para 0,07%), Belo Horizonte (0,26% para 0,30%), Rio de Janeiro (0,22% para 0,34%) e São Paulo (0,11% para 0,14%). O IPC-S desacelerou em Salvador (0,18% para -0,04%) e Recife (-0 05% para -0,09%).

Custo da construção

O INCC-M (Índice Nacional de Custo da Construção – M) registrou alta de 0,23% em março, acima do resultado do mês anterior, de 0,14%, de acordo com a FGV. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços teve variação de 0,50%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,32%. O índice referente à Mão de Obra não registrou variação na passagem de fevereiro para março.

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação de 0,47%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,40%. Dos quatro subgrupos componentes, dois apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura, cuja taxa passou de 0,26% para 0,38%.

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de -0,01%, em fevereiro, para 0,59%, em março. Nesse grupo, vale destacar a aceleração de projetos, cuja variação passou de -1,47% para 1,26%. O índice referente à Mão de Obra não registrou variação na passagem de fevereiro para março.

Cinco capitais apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Em contrapartida, Recife e Porto Alegre registraram desaceleração.

Confiança da construção

O Índice de Confiança da Construção, da Fundação Getulio Vargas, avançou 0,7 ponto em março, para 82,1 pontos. O primeiro trimestre de 2018 fechou com uma alta de 2,9 pontos sobre o trimestre anterior e de 7,2 pontos sobre o mesmo trimestre em 2017 (neste caso, comparação feita sem ajuste sazonal).

“O resultado de março mostra que a confiança empresarial retomou a trilha de recuperação observada desde junho do ano passado, fechando o trimestre com alta relevante, o que reforça as projeções de crescimento setorial. Por outro lado, os sinais positivos ainda estão restritos a poucas atividades, destacando-se principalmente o segmento de Edificações”, observou Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção da FGV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.