Edital para obras em novo trecho da Orla do Guaíba deve sair em março, diz Prefeitura de Porto Alegre

FONTE: G1.COM/RS

Pouco mais de seis meses após a inauguração da primeira parte da revitalização da Orla do Guaíba, a Prefeitura de Porto Alegre prepara mais uma etapa de obras. Dessa vez, o trecho três, que vai da foz do Arroio Dilúvio aos fundos do Anfiteatro Por do Sol, até o estádio Beira-Rio, ganhará uma nova cara. O projeto, porém, ainda está no início, em fase de formulação do orçamento, e sem previsão de início da construção.

Conforme o coordenador do grupo de trabalho da obra e vice-prefeito, Gustavo Paim, o valor do projeto está sendo orçado e deve ser definido ainda em fevereiro. A previsão é de que a revitalização gire em torno de R$ 60 milhões.

Concluída essa etapa, será possível iniciar a elaboração da licitação para definir a empresa responsável pela obra. “Na primeira quinzena de março, o edital deve estar confeccionado”, estima o vice-prefeito.

Com o novo espaço, a população ganhará uma área de esportes, como explica Paim. No projeto, que também é assinado pelo arquiteto Jaime Lerner assim como o primeiro trecho, estão previstas 27 quadras esportivas, das mais diferentes modalidades, uma pista de skate, arquibancadas, vestiários, além de ciclovia, passeio público e área de convivência.

Por fim, três espaços para ocupação de bares deverão ser construídos no local. No total, o trecho 3 compreende mais de 14 hectares ao longo de 1,6 km de beira do Guaíba.

Financiamento internacional
O trecho 1 da orla foi financiado pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (Caf), que também garantirá os recursos para a próxima etapa. Conforme Paim, está reservado um fundo de aproximadamente R$ 35 milhões, dependendo da cotação.

A quantia que faltar para o projeto será obtida de outras fontes. “O projeto que envolve iluminação, por exemplo. Esses postes inclinados [como no trecho 1] virão também para o trecho 3. Essa rede fica algo em torno de R$ 10 milhões. Esse valor pode ser buscado no fundo de iluminação pública municipal”, comenta o vice-prefeito.

A rede de água e esgoto do projeto também poderá ter recursos vindos do Dmae. “A gente imagina que vá, com essas fontes, chegar muito próximo do valor final. Eventualmente o que faltar, a fonte de financiamento seria o tesouro municipal”, diz.

Trecho 2 ainda não tem projeto
O trecho 1 já está entregue, e o 3, em fase preparatória. E o trecho 2? A parte que compreende o fim do trecho 1 e vai até as imediações do Anfiteatro Por do Sol ainda não tem projeto, diz Gustavo Paim. “Está em estudo de viabilidade urbanística, pelo Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (Unops)”, afirma. Portanto, não há previsão para orçamento, licitação ou início dessa obra.

“É uma área que tende a ter capacidade urbanística. Pode ter, por exemplo, roda gigante, espaços de contemplação, serviços, turismo, uma série de possibilidades de maior rentabilidade”, diz Paim.

O escritório internacional também está fazendo a modelagem econômica para a oferta de parceria que a prefeitura deve lançar para ações de manutenção e zeladoria dos três trechos da orla, assim que estiverem prontos. Atualmente, a empresa Uber toma conta do trecho 1, em um contrato que acabou de ser renovado.

A orla deve ter ainda a revitalização do trecho 4, a partir da Zona Sul de Porto Alegre, que também está em estudos, ainda sem previsão. “Juntando com o Cais Mauá, orla do Guaíba e Pontal do Estaleiro, Porto Alegre vai ter um parque público de 3 hectares. Vamos ter uma revitalização do Guaíba que vai devolver essa convivência da população com o rio”, conclui Gustavo Paim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.