O escritor gaúcho Aldyr Garcia Schlee, criador da camisa da Seleção Brasileira de futebol, morreu aos 83 anos

FONTE: O SUL

Morreu, na noite de quinta-feira (15), em Pelotas, na Região Sul do RS, o criador da camiseta amarela da Seleção Brasileira de futebol, Aldyr Garcia Schlee. O escritor gaúcho tinha 83 anos.

Ele lutava há dez anos contra um câncer de pele e estava há dez dias internado no Hospital Beneficência Portuguesa de Pelotas. O velório iniciou às 7h desta sexta-feira (16) no Memorial Pelotas Cemitério Parque. O sepultamento ocorre às 17h.

Em 1953, Aldyr participou de um concurso promovido pelo jornal Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, que escolheria novas cores para o uniforme da Seleção Brasileira. Três anos antes, o País havia perdido o título mundial para o Uruguai, e a camisa branca usada na partida seria aposentada.

Na época, Aldyr fazia caricaturas de jogos de futebol para jornais de Pelotas. Após mais de cem esboços, ele chegou ao modelo que nas décadas seguintes se tornaria a camisa mais reconhecida do esporte internacional.

Após o concurso, a então CBD (Confederação Brasileira de Desportos) oficializou o uniforme e estreou a novidade em 1954. Como prêmio, Aldyr ganhou o equivalente a R$ 20 mil e um estágio no próprio Correio da Manhã.

Governador

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, manifestou pesar e solidariedade aos familiares do escritor, um dos grandes nomes da literatura contemporânea gaúcha. “É uma grande perda para a cultura do Rio Grande do Sul”, afirmou Sartori.

Nascido em Jaguarão, o escritor completaria 84 anos no dia 22 deste mês. Ele vivia há muitos anos em um sítio em Capão do Leão. Autor de mais de uma dezena de livros – o mais recente “O Outro Lado – Noveleta Pueblera”, publicado neste ano –, Schlee também era jornalista, tradutor, professor universitário e desenhista. Foi com este último talento que conquistou alcance nacional e internacional.

O gaúcho era doutor em Ciências Humanas. Alguns de seus livros foram primeiramente publicados no Uruguai pela editora Banda Oriental. Ele traduziu a importante obra “Facundo”, do escritor argentino Domingos Sarmiento, e fez a edição crítica da obra do escritor pelotense João Simões Lopes Neto. Foi planejador gráfico do jornal Última Hora, repórter e redator. Criou o jornal Gazeta Pelotense, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo e foi fundador da Faculdade de Jornalismo da Universidade Católica de Pelotas.

O secretário estadual da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Victor Hugo, também lamentou a morte e lembrou a importância do escritor como um dos melhores nomes da literatura gaúcha. “Era um escritor que conhecia os personagens e os cenários da nossa cultura e que nos legou uma obra densa e original”, ressaltou

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.