Companheiro de personal trainer morta em Montenegro vira réu por feminicídio

O companheiro da personal trainer Débora Michels, de 30 anos, encontrada morta na frente da casa dos pais em Montenegro, no Vale do Caí (RS), vira réu por feminicídio. A denúncia foi feita pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) nessa semana. O homem, de 48 anos, foi acusado por homicídio qualificado pela questão de gênero, dentro de um contexto de violência doméstica e familiar, por motivo torpe, por meio cruel, já que houve asfixia, e pelo recurso que dificultou a defesa da vítima.

O casal estava junto há pelo menos dez anos e o crime ocorreu no dia 26 de janeiro de 2024, após uma discussão.

De acordo com  informações do MPRS, o acusado confessou o delito à polícia e, no momento, se encontra preso preventivamente. Em depoimento, ele afirmou que a companheira perdeu a consciência depois de tê-la jogado contra um móvel da casa onde moravam juntos. Após isso, o homem resolveu abandonar o corpo, sob um cobertor, na calçada em frente à residência dos pais de Débora e fugiu.

O promotor de Justiça Paulo Eduardo de Almeida Vieira, responsável pela denúncia encaminhada ao Poder Judiciário, ressalta que o fato do homem ter colocado o corpo da vítima na frente da casa de familiares causou uma abalo moral, psicológico e emocional aos pais dela. Segundo ele, um caso que nunca tinha visto antes ao longo dos 30 anos que atua como promotor de Justiça.

“Um caso extremamente grave, caracterizado pela brutalidade e pela insensibilidade moral. E que, com certeza, merecerá a devida censura pelo júri devido a sua gravidade. Esperamos que este processo tramite o mais rápido possível e logo chegue ao Tribunal do Júri para que, então, a sociedade de Montenegro possa dar a resposta devida à tamanha brutalidade e gravidade da conduta praticada pelo acusado”, ressaltou Paulo Eduardo de Almeida Vieira.

Relembre o caso

– Uma câmera de segurança na rua dos pais da vítima gravou o momento em que o corpo de Débora foi deixado no local.

– A morte da mulher foi registrada no dia 26 de janeiro.

– A polícia pediu a prisão preventiva do homem, mas a solicitação foi negada pela Justiça e só foi acatada após pedido de revisão.

– Segundo informações do órgão policial, após ser preso, o homem disse que cometeu o crime durante uma briga em casa.

– O casal passava por um processo de separação.

– De acordo com a polícia, não havia registro de queixas ou medidas protetivas contra o acusado.

Por Elas

Na Delegacia de Polícia Online da Mulher, as vítimas de violência doméstica possuem um canal direto com a Polícia Civil para registrar uma ocorrência policial, sem a necessidade de ir até uma Delegacia de Polícia para denunciar seu agressor. Importante que sejam informados todos os detalhes do relacionamento e do autor do fato. Esse espaço foi especialmente projetado para que as mulheres tenham uma Delegacia de Polícia na palma de suas mãos: (51) 98444-0606 funciona tanto pelo aplicativo do Whatsapp, quanto do Telegram.

Rede de Proteção à Mulher

– Centro de Referência em Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul – 0800-644-5556.

– Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher – (51) 3288-2172.

– Centro de Referência de Atendimento à Mulher Vítima de Violência (CRAM) – (51) 3289-5110, (51) 3289-5101 e (51) 3289-5117.

– Centro Estadual de Referência da Mulher “Vânia Araújo Machado” (CRMVAM) – 0800-541-0803.

FONTE: O SUL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.