Governador Eduardo Leite visita nova estrutura do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

FONTE: O SUL

O governador Eduardo Leite visitou, na manhã desta sexta-feira (28), a ampliação da estrutura do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. A construção dos dois prédios contou com investimento de R$ 500 milhões, oriundos do MEC (Ministério da Educação), e aumenta em 70% a área já existente da instituição. Ambos os prédios devem entrar em funcionamento ainda neste ano.

“A relevância do Hospital de Clínicas para o RS é muito grande, principalmente no atendimento e na atenção à alta complexidade. Esse incremento será muito significativo no atendimento à população”, afirmou Leite.

A área ampliada terá nova emergência adulta e pediátrica, recepção e área de acolhimento para pacientes e familiares, blocos cirúrgicos e CTI (Centro de Tratamento Intensivo).

Além disso, contará com o Centro de Material e Esterilização, que será um dos mais modernos da América Latina, expansão da hemodiálise, hemodinâmica e endoscopia. Por tratar-se de um hospital universitário vinculado à Ufrgs (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), o Clínicas ampliará o espaço dedicado ao ensino e à pesquisa.

A liberação dos espaços depende da obtenção do Habite-se parcial e do PPCI (Plano de Prevenção Contra Incêndios). Além disso, a diretora-presidente do hospital, Nadine Clausell, afirma que ainda espera um investimento de cerca de R$ 100 milhões para a aquisição de equipamentos. Depois de um intervalo para pronunciamentos, as autoridades fizeram um tour pelos blocos B e C do hospital.

Diante da epidemia do coronavírus, o Clínicas espera estar em funcionamento o mais rápido possível – antes que as temperaturas comecem a baixar no Estado. Junto ao Complexo Hospitalar Conceição, o Clínicas será referência no tratamento de casos que possam surgir no Rio Grande do Sul. O boletim epidemiológico mais recente do Ministério da Saúde aponta 21 casos suspeitos da doença no Estado.

Leite explicou que o Estado está se preparando para dar uma resposta rápida e eficiente. “Não tínhamos a ilusão de que, neste mundo globalizado, o vírus não chegaria ao Brasil. Não é possível evitar, mas estamos trabalhando para estarmos prontos. O inverno é sempre preocupante devido às doenças respiratórias que acometem nossa população, e se torna especialmente desafiador com a chegada desse vírus”, ponderou.

Um centro de operações de emergência já foi instalado para lidar com a situação e, além disso, o Estado está em sinergia com o Ministério da Saúde e com os municípios gaúchos para que os casos sejam rapidamente identificados e tratados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.