Mais cara do país, gasolina bate R$ 7,50 em postos do RS, aponta ANP

Com o aumento do preço da gasolina anunciado pela Petrobras no início do mês, o valor do litro do combustível nos postos do país subiu 3,3% na semana passada. A mais cara é encontrada em Bagé, na Região da Campanha, e se aproxima dos R$ 7,50.

Conforme o levantamento de preços da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíeis (ANP), na semana de 10 a 16 de outubro, a cidade registrou um preço médio de R$ 7,368 por litro da gasolina comum em nove postos. Em dois deles, contudo, chegava a R$ 7,499.

A gasolina mais barata foi encontrada em postos de combustíveis de Sapucaia do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre: R$ 6,269. Na Capital, o valor oscilava de R$ 6,479 a R$ 6,799 em 39 locais pesquisados.

O presidente do Sindicato dos Petroleiros do RS, Fernando Maia da Costa, questiona esta discrepância. Ele compara o valor médio de Bagé com Uruguaiana, por exemplo, que fica distante da refinaria, em Canoas, mais de 250km e, ainda assim, pratica um preço médio mais barato.

“O custo da gasolina, na saída da Refap, é o mesmo. Os impostos são os mesmos. Podem os distribuidores alegar que o custo de transporte é maior entre Canoas e Bagé, que entre Canoas e Uruguaiana? É complicado de aceitar! O que fica bem claro é que os intermediários estão inferindo uma diferença bastante significativa na cobrança do combustível para o consumidor final”, avalia.

Para o presidente da Sulpetro, João Carlos Dal’Aqua, esta oscilação de mais de R$ 1 entre as regiões não se explica por uma razão apenas. Segundo o representante das revendas, há questões de logística, de carga tributária e até mesmo de estratégias mercadológicas de cada revendedor que podem afetar no custo ao consumidor.

“Entendo a preocupação do pessoal local, gostaria que fosse mais barata. Mas tem diferenças de estrutura e de aquisição. Não sei se alguém tem uma política mais agressiva. Não tem uma explicação. É o mercado agressivo, assim como estados e municípios são mais agressivos. O único que não vai conseguir resolver sozinho é o posto de gasolina. Ele é a ponta mais espremida”, afirma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.