O avanço da campanha de vacinação vai proporcionar, em breve, a primeira dose para os gaúchos a partir de 73 anos

FONTE: O SUL

Em breve, a primeira dose de vacina contra o coronavírus estará disponível para idosos de 73 a 76 anos, profissionais de saúde ainda não imunizados e bombeiros militares operando no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) no Rio Grande do Sul. A previsão é o governo gaúcho, com o novo lote da Coronavac recebido nesta quarta-feira (17).

São 318,2 mil unidades do imunizante chinês, produzido no Brasil em parceria com o Instituto Butantan-SP e que começam a ser repassados aos 497 municípios gaúchos nas próximas horas, por meio das 18 Coordenadorias Regionais de Secretaria Estadual da Saúde (SES), cada qual respondendo por um grupo de municípios.

De um total de nove remessas já realizadas ao Rio Grande do Sul pelo Ministério da Saúde desde o dia 18 de janeiro (sete de Coronavac e duas do imunizante de Oxford-Astrazeneca, produzido em parceria com a Fiocruz-RJ), esta é a segunda maior, perdendo apenas para a primeira, que teve 341,8 mil unidades.

Logística

Os grupos a serem vacinados a partir de agora foram definidos em reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), com participação da Secretaria da Saúde (SES) e do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), na tarde desta quarta-feira.

Os municípios da 18ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), com sede em Osório, receberão 4 mil doses-extras. A medida tem por finalidade compensar a maior demanda durante o veraneio, quando milhares de habitantes de outras cidades transferem residência para os municípios do Litoral Norte, sendo ali vacinados.

Outras mil doses ficarão armazenadas na Central Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Ceadi), em Porto Alegre, para permitir a reposição de ampolas que tenham sofrido variação de temperatura para mais de 8°C em algum momento do trajeto até o destino – aspecto que compromete a eficácia do imunizante.

Diretrizes

A titular da Secretaria Estadual da Saúde, Arita Bergmann, reiterou que todas as doses distribuídas nesta nova etapa terão como destino a primeira aplicação.

“Lembramos os municípios que aqueles que já concluíram a vacinação de seus idosos na faixa etária definida e ainda restarem doses para esse grupo, podem abrir para a idade imediatamente anterior”, acrescentou. “Os municípios que já vacinaram todos os idosos de 73 anos ou mais, por exemplo, podem começar a abranger quem tem 72 anos.”

A pactuação da Comissão Intergestores Bipartite sobre essa remessa de Coronavac também definiu que, se houver saldo de vacina no município, poderão ser contempladas os maiores de 18 anos com deficiência que estejam acamados e sem autonomia.

“As pessoas acamadas que vivem em instituições de acolhimento já foram vacinadas na primeira fase da campanha”, afirmou a diretora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde, Ana Costa. “Agora vamos começar a aplicar o imunizante naqueles que estão em casa, nestas condições.”

“Vacina é para estar no braço dos gaúchos, não para ficar parada”, ressaltou o secretário-executivo do Cosems, Diego Espíndola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.