O que a obesidade tem a ver com a COVID-19?

FONTE: O SUL

PUBLICIDADE

A pandemia do Coronavírus modificou vários hábitos na sociedade. Passamos a cuidar mais da higiene, a lavar mais as mãos, a lavar melhor frutas e verduras, cuidar das sacolas que entram em casa, retirar os sapatos quando chegamos da rua, passar álcool em gel 30 vezes ao dia. Nos distanciamos das pessoas como forma de proteção. E, de fato, tudo isso está certo para evitarmos a contaminação pelo vírus.

Os estudos com os pacientes que tiveram o Coronavírus tem demonstrado que cuidar da saúde também deve virar hábito. Um estudo recente realizado com pacientes nos Estados Unidos considerou a obesidade, juntamente com a idade, como maior fator de hospitalização por COVID-19. Ou seja, ter o vírus e estar obeso traz maiores complicações para o quadro. Isto nos sugere que o papel do processo inflamatório da obesidade é determinante para a evolução da doença e faz cair por terra uma das frases mais ditas em consultório: sou obeso mas sou saudável, meus exames não estão ruins! Engana-se quem pensa assim. Todo processo de aumento de peso está mediado por um processo inflamatório, portanto, não existe saúde nessa situação.

Mas voltemos às evidências. Um outro estudo, agora realizado na Itália, demonstra que a Síndrome Metabólica aumenta em 10 vezes o risco de morte quando ocorre infecção por COVID-19. Na síndrome metabólica, não temos indivíduos necessariamente obesos, mas com alterações no metabolismo da insulina. A síndrome metabólica inclui hipertensão arterial, nível elevado de açúcar no sangue, excesso de gordura corporal em torno da cintura e níveis de colesterol anormais. Este processo aumenta citocinas inflamatórias aumentando o período de infecções e agravando o processo da doença.

Então, o vírus veio também pra nos mostrar que, além da higiene das mãos , vamos ter que rever nossas escolhas alimentares diárias, a forma como tratamos nosso corpo, como protelamos muitas vezes nossa busca por saúde. Os estudos começam a nos indicar alguns caminhos, precisamos ficar atentos a eles. Que tenhamos todos uma semana sem inflamação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.