TJ-RS mantém condenação de estudante de medicina por estupro virtual

FONTE: G1RS

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve a condenação de um estudante de medicina pelo crime de estupro virtual, cometido contra uma criança de 10 anos, em 2017. Esse caso é considerado inédito no país, por se tratar de um crime cometido pela internet. A decisão foi publicada no dia 29 de janeiro e divulgada nesta segunda-feira (2).

“É uma inovação no mundo jurídico, uma proteção incrível à infância, ainda que não houve contato direto físico, a consequência pra essa criança é a mesma [de um estupro]. Mesmo estando em locais distintos, eles estavam no mesmo local cibernético”, afirma a promotora e coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude, Educação, Família e Sucessões, Denise Casanova Villela.

O advogado do réu afirmou que a defesa irá recorrer da decisão.

Em dezembro de 2018, o estudante foi condenado a 14 anos de prisão em decisão de primeiro grau. Agora, com a decisão dos desembargadores da 8ª Câmara Criminal do TJ, a pena passou para 12 anos, 9 meses e 20 dias. Foi aceita um dado parcial da defesa, mas os desembargadores negaram o pedido do advogado do réu para desclassificar o crime de estupro de vulnerável para importunação sexual.

“Esse acórdão é importante e gera uma jurisprudência. Outros colegas vão ingressar na Justiça contra o crime de estupro virtual. É uma tese acusatória nova, sem precedentes. O espaço cibernético é atual, inovador, precisamos atender as demandas da sociedade de forma adequada”, acrescenta a promotora.

Segundo o MP, a tese sustenta que o réu pedia que a vítima, menor de idade, ligasse a câmera e tirasse a roupa.

“A internet não é um universo sem lei, portanto, as práticas violadoras de direitos efetuadas nessa esfera cibernética também estão sujeitas as sanções necessárias para garantia da máxima efetividade da dignidade humana, valor fundamental do qual decorre a tutela da dignidade de crianças e adolescentes, incluída a sexual”, afirma o acórdão.

A promotora relata que casos de assédio contra crianças e adolescentes acontecem com frequência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.